terça-feira, 20 de agosto de 2019

Na Campus Party Natal, hackathons da JFRN apresentam soluções para ferramentas de comunicação

O hackathon (maratona de sistemas) promovido pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte durante a segunda edição da Campus Party Natal apresentou soluções para canais eficientes de comunicação com o cidadão. No total, 19 equipes participaram e nove apresentaram soluções.

O primeiro lugar, com menção honrosa de pontuação máxima, ficou com a equipe Nísia. O trabalho dos jovens, desenvolvido em 24 horas, foi serviço de chatbot através de WhatsApp para atendimento ao cidadão, baseado em inteligência artificial e linguagem simplificada para apresentação dos serviços providos pela JFRN (conforme Carta de Serviços e Fale Conosco).

Já o segundo lugar, da equipe Codehunters, contemplou o chatbot web para atendimento do cidadão, usando machine learning, que permite avaliação e controle do atendimento, inclusive com encaminhamento aos servidores da JFRN para casos não atendidos pela ferramenta.

O terceiro lugar ficou com a equipe UFPB Campus IV, que apresentou uma ferramenta de classificação do Fale Conosco, que permite a análise de sentimento dos questionamentos, classificando por expressividade e facilitando a categorização automática.

“A Justiça Federal no Rio Grande do Norte, primando pelo princípio da inovação e criatividade, encerra sua segunda participação na Campus Party Natal com um saldo muito positivo: interagindo com a comunidade e saindo daqui com sistemas que, quando desenvolvidos na sua integralidade, trarão grandes benefícios para nossa JFRN”, destacou o Juiz Federal Carlos Wagner Dias Ferreira, Diretor do Foro da JFRN.

Além dos hackathons da segunda edição da Campus Party, o evento também marcou a apresentação da equipe finalista do ano passado, que expôs o protótipo do trabalho desenvolvido, a partir da Campus Party e durante todo ano.

Graças a um Acordo de Cooperação firmado entre a Seção Judiciária potiguar e a Universidade Federal no Rio Grande do Norte, os participantes do hackathon de 2018 puderam encubar e desenvolver seu projeto com auxílio do Tribunal Regional Federal da 5a Região e da Justiça Federal no Rio Grande do Norte, além de contar com suporte especializado de professores da UFRN.

O trabalho é sobre um sistema de prevenção de processos, procurando o grau de similaridade nas petições iniciais. A proposta é, a partir da inteligência artificial, identificar se uma pessoa está entrando com o mesmo processo em mais de uma Seção Judiciária.


Nenhum comentário:

Postar um comentário