segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Compras de Natal podem estimular consumismo infantil

Consumismoo infantil: Foto/divulgação
A chegada do mês de dezembro traz consigo um clima de festividade e, para as crianças, também é sinônimo de presentes. A época também é importante para o comércio nacional, tendo em vista que a data é a de maior expectativa para faturamento do setor. No entanto, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), em 2015, as vendas devem cair 4,8% em comparação com 2014, e o faturamento será, em média, R$ 31,76 bilhões.

Mesmo com perspectiva de retração no setor, a data representa um alto índice de vendas de produtos direcionados ao público infantil. Pesquisas divulgadas nos últimos anos pelo TNS/InterScience revelam que as crianças são responsáveis por 80% das decisões de compra nas suas casas. Um número elevado e que gera preocupação, já que esse comportamento pode desencadear um consumismo infantil desenfreado e com consequências para o desenvolvimento da criança.

“Os prejuízos para essas crianças serão percebidos no modo de agir, no modo de se comportar frente ao consumo exagerado. Podendo então, tornarem-se consumistas e empobrecidas de cultura. Pessoas materialistas e com poucos valores”, explica o psicólogo do Hapvida Saúde, André Assunção.

De acordo com o especialista, nessa época do ano os estímulos externos, como comerciais e propagandas na TV e internet, influenciam o consumo das crianças. “Porém, há influência dos próprios pais e parentes sobre a oferta desses presentes, que acabam despertando o interesse delas em gastar sem pensar no orçamento”, afirma.

Por causa disso, cabe aos pais a orientação nesse momento. Deve partir deles a decisão final da compra, mostrando aos filhos o que cada um poderá ganhar e direcionando para um brinquedo que os satisfaça, já que, de acordo com o especialista, “alguns pais tentam realizar desejos próprios nos filhos, com presentes financeiramente altos, porém, sem afeto ou gesto de carinho.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário