segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Cala-te mídia

Por Carlos Barbosa

Não será nenhuma surpresa se a mídia papa-jerimum calar sobre a citação do senador José Agripino Maia (DEM) nos grampos legais do Ministério Público Estadual que investiga um esquema fraudulento montado no Detran-RN, ainda nos governos Wilma de Faria (PSB) e Iberê Ferreira de Souza (PSB).

De acordo com as transcrições liberadas pelo MP e publicadas neste blog no final de semana – leia em Sinal Fechado começa a se abrir – George Olímpio, considerado o principal cabeça do esquema manteve conversas com o suplente de senador João Faustino (PSDB), que por sua vez falou com o senador José Agripino Maia (DEM) que se comprometeu em ter uma conversa com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e o então secretário-chefe de Gabinete Paulo de Tarso Fernandes. Agripino também teria falado a João Faustino que teria uma conversa com o ministro potiguar José Delgado (STJ) em seu gabinete em Brasília. George Olímpio teria participado também dessa conversa.

Um outro blog informou que Agripino teria dito que a conversa no seu gabinete teria sido a pedido do ministro José Delgado. Mas por que motivo Agripino não revela então o teor da conversa? Será que era tão sigilosa assim a ponto de não poder ser levada a público?

Não custa lembrar que nas conversas interceptadas pelo MP fica claro ainda que o vice-governador Robinson Faria (PSD) não concordava com a inspeção veicular e que estava “fora disso” por considerar uma “encrenca”, e que o marido da governadora Rosalba Ciarlini, ex-deputado Carlos Augusto Rosado, não sabia nem quando abriria isso. Ora, se Robinson Faria considerava uma “encrenca” se envolver nesse “negócio”, é sinal de que a coisa é mais preta do que se pensa.

Aliás, o próprio MP solicitou a prorrogação temporária dos oito presos na Operação Sinal Fechado, inclusive o suplente do senador José Agripino Maia, professor João Faustino. O MP argumentou em seu pedido que os documentos apreendidos não puderam ser analisados por estarem sendo reunidos e separados e ainda pelo fato de nem todos os investigados terem sido interrogados.

O MP requereu ainda e a Justiça também acatou – a conversão da prisão temporária em preventiva de Carlos Alberto Zafred Marcelino para garantir a aplicação da lei penal, visto que encontra-se em lugar incerto e não sabido.

Resta saber se a mídia tradicional continuará calada sobre a citação do senador José Agripino ou vai se render aos fatos. A conferir!

Nenhum comentário:

Postar um comentário